Notícias

08
mar/24

Papa: nos estudos de Tomás de Aquino, a raiz do bem social do homem

Imagem
Imagem

O que o pensamento de um dos mais ilustres teólogos da história da Igreja tem a ver com o desenvolvimento das ciências sociais? Um investigador da relação entre fé e razão com as maneiras pelas quais as relações entre as pessoas são articuladas e crescem? Muito mais do que poderia parecer.

750 anos após a morte do autor de ’Summa Theologiae’, o Papa Francisco escreve aos participantes de um workshop que a Pontifícia Academia de Ciências Sociais organizou nos dias 7 e 8 de março, para discutir o tema “Ontologia Social e Direito Natural do Aquinate em Perspectiva. Aprofundamentos para e a partir das Ciências Sociais”.

Não há contradição entre fé e razão
"Certamente Santo Tomás não cultivou as ciências sociais como as entendemos hoje", observa Francisco, mas, no entanto, com seus estudos, foi um precursor delas, e isso porque para ele era evidente, e afirma isso na Summa, que a pessoa, como criatura de Deus, representa "o que há de mais nobre em todo o universo". E como, em nível do pensamento, o Aquinate sustentava que Deus é "a verdade e a luz que ilumina todo o entendimento" e que, portanto, não possa haver "nenhuma contradição fundamental entre a verdade revelada e aquela descoberta pela razão", segue-se que "os bens espirituais precedem aqueles materiais e que o bem comum da sociedade precede aquele dos indivíduos".

No homem, "a inteligência de Deus"
Francisco destaca, por exemplo, a atenção que o Doctor Angelicus dedica às questões de justiça, especialmente nos Comentários, o que deixa clara a sua "influência na formação do pensamento moral e jurídico moderno". O Aquinate, recorda o Papa, afirma "a dignidade intrínseca e a unidade da pessoa humana" - tanto as virtudes do corpo como as "da alma racional" - que lhe permitem distinguir entre o verdadeiro e o falso e entre o bem e o mal". É aquela que Santo Tomás chama de "inteligência de Deus", ou seja, a "capacidade inata" de um homem "de discernir e de ordenar ou dispor os atos para seu fim último por meio do amor", também conhecida como "lei natural".

Uma visão sempre atual
E é aí que reside a modernidade do autor daeSumma, já que hoje - afirma Francisco - é essencial dar uma nova consideração a essa, como o Aquinate a chama, "inclinação natural para conhecer a verdade sobre Deus e para viver em sociedade", a fim de, acrescenta o Papa, "moldar o pensamento e as políticas sociais de forma a promover, em vez de impedir, o autêntico desenvolvimento humano dos indivíduos e dos povos". A confiança de Tomás em uma lei natural escrita no coração do homem pode oferecer, insiste Francisco, "percepções novas e válidas para o nosso mundo globalizado, dominado pelo positivismo jurídico e pela casuística", mesmo que - ele reconhece - "continue a buscar bases sólidas para uma ordem social justa e humana".

Onde nasce a Doutrina Social
Como pensador cristão, Tomás de Aquino reconhece a ação da "graça redentora" trazida por Jesus na ação humana, que, além de seus benefícios espirituais, tem, observa Francisco, "ricas implicações" para a compreensão da dinâmica de "uma ordem social sólida fundada na reconciliação, na solidariedade, na justiça e no cuidado mútuo". Nesse ponto, o Papa cita Bento XVI em apoio, que na Caritas in Veritate afirmou que o homem e a mulher, como objetos do amor de Deus, tornam-se, por sua vez, sujeitos da caridade, chamados a refletir essa caridade e a tecer redes de caridade a serviço da justiça e do bem comum. Uma dinâmica de "caridade recebida e doada" que - ele observa - deu origem à Doutrina Social da Igreja", cujo objetivo é explorar como "os benefícios sociais da Redenção podem se tornar visíveis na vida de homens e mulheres".

Francisco conclui com um pensamento afinado com a Quaresma para reiterar que a reflexão deve sempre ser combinada com uma demonstração prática do amor cristão. "Durante estes anos de meu pontificado", escreve ele, "procurei privilegiar o gesto do lava-pés", que é "sem dúvida um símbolo eloquente das bem-aventuranças" de Jesus e "de sua expressão concreta nas obras de misericórdia". Porque "Jesus sabia que, quando se trata de inspirar o coração humano, os exemplos são mais importantes do que um fluxo de palavras".

Fonte: https://www.vaticannews.va/pt

+ Mapa do Site

Política de Privacidade
Cúria Provincial Agostiniana Rua Mato Grosso, 936, Santo Agostinho Belo Horizonte - MG, 30190-085 +55 (31) 2125-6879 comunicacao@agostinianos.org.br

Fique por dentro de tudo o que acontece na Província. Cadastre seu e-mail para receber nossa Newsletter.