Notícias

5ª ExpoAgostiniana traz como símbolo as Matrioskas

O Colégio Santo Agostinho - Belo Horizonte realiza, de 27 a 30 de agosto, a 5ª ExpoAgostiniana. Este ano foi escolhido como tema: "Agostinho: um homem entre outros homens” e como símbolo as Matrioshkas, bonecas russas que aninham outras dentro de si e que nos convidam a exercitar permanentemente nossa interioridade. A ExpoAgostiniana busca atualizar o legado de Agostinho de Hipona, valorizando sua filosofia, carisma e espiritualidade, em diálogo com o Projeto Pedagógico do Colégio.

As Matrioshkas X Santo AgostinhoPor abrigarem a si, dentro de si, as Matrioshkas nos incitam a fazer uma jornada interna, em busca de nossa sabedoria latente e nos lembram da importância de reverenciarmos a nossa ancestralidade. Dialogando, pois, com essas simbologia arquetípica e sabedoria secular – com as quais as Matrioshkas nos presenteiam – desejamos percorrer, com o homem Agostinho, sua bela e instigante trajetória existencial de busca inquieta da felicidade.

Busca da felicidade mediante as coisas externas, sensíveis“Eu, disforme, lançava-me sobre as belas formas das tuas criaturas. Estavas comigo, mas eu não estava contigo. Retinham-me longe de ti as tuas criaturas...” (Confissões X,27,38).Agostinho se entregava às exterioridades, às vontades da carne de maneira consciente e pueril – no que tange à inocência, de fazer por fazer, por querer, por prazer. No entanto, ao longo do tempo percebe que é preciso buscar a felicidade mais internamente, de maneira mais sutil, não no plano da matéria.

Busca da felicidade por meio da razão, da sabedoria“Eu passei a aspirar com todas as forças à imortalidade que vem da sabedoria.” (Confissões III,4,7).

Agostinho é o pensador da inquietude!

E como homem interrogante, com uma disposição inesgotável para buscar o conhecimento, se manifestava um investigador que esquadrinhava o que lhe chegava aos olhos e aos ouvidos como sendo a verdade. Agostinho não para. Lê. Escuta. Reflete. Caminha. Aspira. Insatisfaz-se! Busca e encontro da felicidade em seu interior “Tarde te amei, ó beleza tão antiga e tão nova! Tarde demais eu te amei! Eis que habitavas dentro de mim...”(Confissões X,27,38).Desvela-se aos olhos internos de Agostinho que Deus é o bem supremo, a felicidade que tanto desejou e buscou com ardor, por décadas. A graça de Deus o encontra e o leva a si mesmo e Àquela Beleza sempre antiga e sempre nova que é a origem e o fim último de cada ser humano.

As Matrioshkas, com Santo Agostinho, nos ensinam: somos UM! Cada estágio da vida é uma oportunidade de crescimento pessoal, independentemente da idade. Encontramo-nos e buscamo-nos a cada dia! Que a 5ª ExpoAgostiniana nos inspire a nos descobrirmos humanos, demasiadamente humanos, aspirando, também nós, a exemplo de Agostinho à beleza sempre antiga e sempre nova!

13 ago
Compartilhe:
Mapa do Site